sábado, 5 de agosto de 2017

Fechamento de Julho/17 -

Sinto que o crescimento do mês
passado foi fogo de palha...
Buenas, galera! Esse mês voltamos à ciranda de sempre... sem crescimento na carteira financeira, mas também quase sem queda. Um encolhimento de 0,07% - estável. Pois é, minha via crucis deve seguir por mais dois meses.

Então vamos ao desempenho:

A CARTEIRA FINANCEIRA diminuiu 0,07%a CARTEIRA GLOBAL avançou 1,5%. Em 2017 o crescimento foi 7,6% para a Financeira e 18,1% para a Global. Abaixo seguem os comparativos da Carteira Financeira frente aos principais indicadores e a atual distribuição das carteiras (Financeira e Global).

Aporte? Não esse mês! Novamente draguei a carteira financeira, mas o dinheiro não desapareceu. Virou mais um pedaço de terra. Embora sem valores, o gráfico aportes mostra que a classe mais castigada nesse mês foi a de Outras Rendas Fixas, enquanto que o TD recebeu um pouco da mascada. Ações também cederam capital e FIIs receberam um leve aporte. No total, o desfalque foi significativo. Apenas as doletas permaneceram sem aporte nem retiradas.

Perdas e Ganhos



A carteira teve uma valorização interessante de 1,83%. Continua superando o CDI, IFIX, Poupança, Dólar e IPCA. Neste mês ficou para trás apenas do Ibovespa.

Ações valorizaram 4,44% no mês, levemente abaixo do Ibovespa (4,80%). Os destaques do mês foram BBAS3 e HGTX3 e, na ponta negativa, TUPY3 foi a única ação com queda na carteira.

FIIs valorizaram 0,30% que, embora baixo, performou melhor que o IFIX (-0,39%). O destaque do mês foi a queda de BRCR11.

Outras Rendas Fixas valorizaram 0,99% contra 0,80% do CDI, em linha com os demais meses.

Tesouro Direto após dois meses no marasmo, voltou a turbinar e encerrou julho com valorização de 2,74%. O TD-IPCA+35 que vinha afetando negativamente os resultados dos últimos dois meses, subiu 4,69% em julho dando uma boa ajuda na carteira

Reserva Cambial seguiu a queda do dólar no mercado e ficou negativa em 4,76%. No entanto caiu menos que o Dólar Comercial (-5,92%).

Bola de Cristal


Quem sabe teremos alguns momentos de tranquilidade. Será? No final de junho não via um cenário muito positivo, mas a condenação de Lula e a força do governo deram um ânimo ao mercado.

No entanto não vejo nenhum desses fatos como algo duradouro. A condenação de Lula foi em primeira instância e pode ser revertida ou não ratificada pela segunda instância até o pleito de 2018. De concreto deu a ele um motivo claro para candidatar-se: foro privilegiado.

A força de Temer... salvou o pescoço dele, mas não sei se terá força para seguir com as reformas, em especial a da previdência. Tomara que sim e que não saia muito caro. Eu preferia o Maia no lugar dele nesse momento, mas vamos em frente.

Ações: parecia que a consolidação iria romper para baixo, mas vieram boas novas e as ações decolaram. Em especial as estatais que ainda estavam mais atrás na recuperação. Claro, isso tudo tem influência no curto prazo, no longo prazo tanto faz. O foco é boas empresas e aportar constantemente. No meu caso, só manutenção até retomar o poder de aporte.

FIIs: continuo acreditando na resiliência deles, embora parece que estão mostrando esgotamento. Acho que o fim do ciclo de queda dos juros pode trazer uma realização nos papéis.

Juros: a queda de 100 bps foi concretizada em 25 e 26/07. Por hora acredito que teremos mais um corte igual em setembro. Vamos ver se os TDs indexados cedem um pouco mais pois quero realizar o lucro de alguns títulos...

Dólar: caiu forte em Julho ao perder os 3,20 e acredito que vai enroscar na casa dos 3,10. Continuo sem aportar.

Som de hoje: Megadeth - Holy Wars