segunda-feira, 19 de junho de 2017

Educação financeira de pai para filho. Final feliz para o episódio do vídeo game.

Buenas Galera! Em janeiro desse ano escrevi esse post contando a saga do meu filho para a troca do seu videogame.

Na época ele já vinha poupando há quase dois anos para isso e, nesse último final de semana, ele conseguiu realizar o seu objetivo. Foi uma conquista que me deixou muito orgulhoso. Durante essa caminhada ele abdicou de pegar empréstimo para antecipar a compra e poupou religiosamente com foco no longo prazo. Conheço muitos adultos que não demonstram a mesma paciência e perseverança desse garoto de 13 anos.

Lembro-me de quando fiz minha primeira venda e meu chefe disse que para vender R$ 100,00 ou R$ 100.000,00 usava-se o mesmo processo. Hoje com mais experiência entendo que isso é verdade, e ouso a dizer que, para conquistar a IF ou comprar um bem desejado também se usa mesmo processo. Muda-se o objetivo, mas a disciplina e o foco no longo prazo devem ser o mesmo.


Mudando radicalmente de assunto, mas mantendo a tradição de minhas chamadas para a Doação de Sangue, no último dia 14 foi o Dia Mundial do Doador de Sangue. Não doei sangue nesse dia, pois ainda não faz 60 dias da minha última doação, mas, assim que estiver apto a doar novamente, eu farei nova doação.


domingo, 11 de junho de 2017

Fechamento Maio/17 - tá ruim mas tá bom!

Buenas, galera! Meu último post foi dia 16/05 e nele comentei sobre a expectativa otimista que o mercado estava com a queda dos juros futuros Juros Futuros - em queda aguardando a reunião da turma do Ilan. Bem, um dia depois o bicho pegou, houve a delação da JBS e isso atingiu em cheio o governo Temer. Olha o que aconteceu com o Ibovespa - coitado!!!

Vínhamos numa bela alta desde o inicio de 2016 e o mercado esperava o rompimento da resistência dos 69.478 pontos (linha amarela). Aí, após o fechamento do mercado no dia 17/05 veio a notícia da delação e, no dia 18, o sell-off com o rompimento da LTA (linha azul) que suportava a alta desde o final de janeiro de 2016. Bueno, eu também apostava no rompimento da máxima e estava reforçando posições... paciência, fiz algumas compras no topo, mas sem estresse, no longo prazo tudo se resolve.

No dia 18? Nem operei. Primeiro não iria vender no pânico e, depois, tinha uma reunião com cliente marcada para as 10 da manhã que emendou com um almoço, ou seja, só fui ver o que estava acontecendo com o Ibov aí pelas 14:00.

E agora José? Agora, estou em compasso de espera, até porque tenho alguns compromissos e não tenho pressa em aportar. Entendo que o mercado consolidou e as bombas políticas vs os avanços das reformas vão ditar o rumo. Particularmente acredito que teremos mais correções, mas só o tempo dirá o que realmente vai acontecer.

Então vamos aos resultados:

A CARTEIRA FINANCEIRA encolheu 1,2%, o que já era esperado, mas a CARTEIRA GLOBAL avançou 1,1%, devido ao pagamento de mais uma parcela da terra.

No mês passado, havia diminuído a exposição em ações e comprado algumas doletas quando os pilas ianques caíram a 3,10 - bendita hora!!! Em Maio reforcei as ações e não aportei em dólar. Infelizmente, comprei a maior parte das ações antes do dia 17. A limada em Maio ficou concentrada em CDBs e TD.

Perdas e Ganhos


A carteira teve uma desvalorização de 0,3%, ou seja, perdeu para o CDI e para o IFIX e até para a poupança (+0,58%.) Na realidade, perdeu até para a grana que ficou na carteira, mas ganhou do IBOV.

Ações, ao contrário do mês passado, tiveram o pior desempenho do mês, caindo 4,24% e perdendo para o Ibovespa que perdeu 4,12% no período. BBAS3 foi a ação que mais impactou negativamente o resultado, enquanto que WEGE3 foi a que teve o melhor desempenho.

FIIs valorizaram 1,28% e bateram novamente o IFIX (+1,02%). O destaque do mês foi HGRE11 que valorizou 9,19%.

Outras Rendas Fixas valorizaram 1,11% contra 0,93% do CDI - nada mal, para 'perda fixa' como alguns chamam.

Tesouro Direto caiu 0,01%, ou seja, ficou praticamente estável, mas por ser uma renda fixa muitos esperam rentabilidade positiva. No entanto, papéis que tem marcação a mercado variam, e tornam a renda fixa não tão fixa assim. Novamente o principal impacto negativo veio do TD-IPCA35 que, embora tenha caído apenas 0,57%, devido ao seu peso na carteira foi o que mais contribuiu para o resultado negativo.

Reserva Cambial foi o grande drive positivo da carteira no mês. A valorização foi de 4,72% superando o dólar comercial (+1,93%).

Bola de Cristal


No último mês dividi as expectativas entre os fronts externo e interno.

No front externo minhas considerações ficavam a cargo da economia chinesa, tensões entre Coréia do Norte e EUA, política fiscal do Trump e as eleições francesas. Das quatro, a economia chinesa muito me preocupa e não entendo porque os mercados estão ignorando esse problemas - talvez os tubas estejam desovando suas posições bem quietinho, sei lá, mas algo não me cheira bem.

Já no front interno eu me mostrava bastante pessimista, porém não imaginava uma bosta tão grande. Não defendo o Temer, até por que, para mim, é tudo farinha do mesmo saco, mas esperava que ele remasse até 2018 com certa blindagem tranquilidade para que as reformas fossem aprovadas.

Agora, com todos os nossos problemas internos, os externos podem até contribuir, mas não devem piorar muito a toada por aqui.

Ações: acho que devem sofrer bastante. Espera-se que os bancos entrem na ciranda das delações, novas denúncias devem aparecer e envolver o nome do presidente... Mas, o que mais temo, é que os nomes da área econômica sejam ligados a alguma falcatrua e passemos a ter incerteza da continuidade desse time. O pulga que está atrás da minha orelha: Henrique Meirelles - presidente do Conselho de Administração da J&F Investimentos de 2012 a 2016.

FIIs: acredito que sejam mais resilientes pois a precificação está muito mais atrelada à queda dos juros do que a política.

Juros: acredito que continuem em queda e pela expectativa de recessão, associada à baixa inflação. Não me surpreenderia se o mercado passasse a precificar uma queda de 100 bps para a próxima reunião. Se for aportar, provavelmente os pós fixados sejam minha classe preferida no momento.

Dólar: parece ter encontrado uma zona de estabilidade entre 3,20 e 3,30. Por hora não pretendo aportar, a não que demonstre força para subir acima de 3,35 e se manter.

Clipe de hoje: RISE (PIL) - Live at Glastonbury 2013. Pois é, com a idade os quilos não chegaram só para mim. I could be wrong, i could be right - who knows, wherever...