quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Carteira FIIs - tchau TBOF11

Buenas, galera! Como havia comentado no último post, eu estava avaliando zerar minha posição no TBOF11 e, nessa semana, acabei vendendo minhas 58 cotas do fundo.

Acho o ativo do fundo muito bom, bem localizado, porém com elevada vacância e, devido a recente oferta de compra, o preço de sua cota disparou.  Na minha opinião, o preço atual ficou bom para venda.

Alguns dados do período em que fui sócio do TBOF11
  • 12/01/2015: aquisição de 26 cotas - R$ 1.552,54
  • 08/09/2015: aquisição de 32 cotas - R$ 1.658,40
  • Investimento total: R$ 3.210,94
  • Venda líquida: R$ 4.087,67
  • Lucro: R$ 867,73 - IR R$ 175,35
  • Lucro líquido: R$ 701,38 (21,8%)
  • Proventos recebidos no período: R$ 335,92 (10,5%)
Além da eliminação de TBOF11, também resolvi zerar a posição de FEXC11B. Este era um FII que tinha apenas três cotas e nunca tive muito interesse. Comprei essas cotas para avaliar um tempo, mas resolvi não evoluir na participação dele, então: tchau FEXC11B!

O que entrou no lugar?

RNGO11: como TBOF era monoativo, sem gestão ativa, não vi nada de problema em compra RNGO11 com parte do valor recebido na venda. É um fundo que tem um bom ativo, e baixa vacância. Acredito que posso vir a aumentar minha posição nele no futuro. Por hora foram apenas 10 cotas.

EDGA11B: esse é um fundo que quis comprar há um tempo atrás, mas a cotação dele disparou muito e deixei de lado. Recentemente a cotação recuou um pouco e resolvi comprar um pouco dele (10 cotas). Assim como o RNGO, ele é monoativo, bem localizado mas, nesse caso específico, estou comprando vacância.

HGRE11: um ativo que há tempo quero comprar mas não tinha oportunidade, agora com a a venda de TBOF, dispus parte do valor para a compra de uma cotinha do HGRE11. O que mais me agrada é a gestão ativa, além de ser um FII HG.

MXRF11: um fundo misto (papéis, FIIs, imóveis) que comprei 10 cotas para avaliar. Gostei do FII justamente pela sua diversificação. Agora é acompanhar os próximos meses.

MFII11: esse fundo de desenvolvimento já está na minha carteira e aproveitei para comprar mais 5 cotas do fundo.

Para as próximas compras meu foco deve ser Escritórios/Comercial, como FFCI, HGRE, BRCR, RNGO, EDGA, KNRI... abaixo segue minha carteira de FIIs.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Carteira financeira: 400k - barreira superada!

Buenas, galera! Finalmente a barreira dos 400k foi superada esse mês. Eu já tinha essa expectativa, pois com a média dos aportes recentes, provavelmente iria superar essa marca em fevereiro. Mas eis que um não recorrente apareceu e a os 400k ficaram no retrovisor!!!! Sim, passei tão rápido que a marca dos 400k ficaram como aquele ponto borrado na foto abaixo.


Com isso, incluindo os imóveis, o patrimônio total passou dos 900k. Eu incluo os imóveis, com exceção da minha casa, pois são investimentos. Mesmo com baixa liquidez e dificuldades de saber o preço de mercado, são investimentos. O VDC concorda!!!

Mata a cobra e mostra o pau!


Pois é, um não recorrente de cerca de 40k deu uma socada nos 400k. Agora rumo aos 500, 600... vamo que vamo!

Bem, e o que muda com isso? Nada, sigo na filosofia do piano, piano se vá lontano. Trabalhar, poupar e investir.

Os números do mês ainda não estão fechados até porque ainda não finalizei as aplicações e tem muita água para passar por debaixo da ponte (ou por cima). Isso justifica o aumento em outras rendas fixas, onde está boa parte dessa grana.


Compras parciais de fevereiro


Eu já fiz algumas compras, como segue:
  • MFII11: 5 cotas a R$ 104,00
  • ITSA4: 200 cotas a R$ 9,48
  • VLID3: 100 cotas a R$ 23,90
  • MULT3: 25 cotas a R$ 67,00
Ainda estou estudando novas compras, mas se não tiver segurança, vou manter a grana destinada a ações e FIIs em CDB liquidez diária.


Gestão ativa da carteira


    Como sabem, não sou expert em renda variável - um dia vou escrever sobre o que sou bom, mas tenho até medo! kkkk Bom, esse mês comecei a estudar uma gestão ativa na carteira, seguindo as orientações do post Giro da Carteira de Ativos do Investidor de Risco, e fazendo alguns ajustes. Não sei se o resultado será positivo ou não, por isso, não vou fazer essa gestão em toda a carteira, muito embora o back test tenha sido bem interessante.


    • BBAS3 x BBDC

      • Um dos giros foi a venda de Banco do Brasil ON para compra de Bradesco PN
      • BBAS3 já estava com 116% de lucro
      • Venda BBAS3: 100 cotas a R$ 31,30
      • Compra BBDC4: 100 cotas a R$ 31,98
      • Como eu tinha 200 BBAS3, mantive 100 em carteira, o que vai facilitar o comparativo

    • VALE5 x GGBR4+USIM5

      • O segundo giro foi a venda de VALE5 e compra de GGBR4 + USIM5
      • VALE5 estava com 53% de lucro
      • Venda VALE5: 100 cotas a R$ 28,70
      • Compra GGBR4: 100 cotas a R$ 12,68
      • Compra USIM5: 300 cotas a R$ 5,19
      • Minha posição em VALE5 foi zerada

    • TBOF11

      • Estou muito propenso a encerrar a posição neste FII devido a oferta que o fundo recebeu. Estou avaliando quais FIIs eu colocaria no lugar... vamos ver.

    • Novas compras

      • Sem pressa, mas devo comprar mais ações e FIIs ainda esse mês.
    Retornando aos clipes, It's a Long Way to the Top (If You Wanna Rock 'n' Roll) - o detalhe está no vocal do Lemmy Kilmister.

    quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

    Azar, será que existe?

    Há alguns dias atrás postei sobre a sorte se você não leu leia aqui Sorte, será que existe? Hoje vou explanar sobre o seu oposto o azar. Na outra postagem defini sorte como um bônus que recebemos pelo nossos esforços. Pela lógica, o azar seria, então, um ônus devido pela nossa negligência, preguiça, despreparo...

    Eu sou muito otimista, por isso não me considero azarado. Quando algo não sai como planejado, procuro ver o lado bom da situação e buscar uma oportunidade de melhoria no "fracasso".

    Para ilustrar o azar (na minha concepção), vou pegar emprestado um caso que recentemente ocorreu com uma conhecida minha. Vou chamá-la de Maria. Maria Sem Serventia... porém, no caso dela, não sei se ela já conseguiu ver o lado positivo dos acontecimentos.

    Maria Sem Serventia, é uma jovem um pouco perdida. Embora de família humilde, sempre estudou em colégio particular, pois todos faziam os esforços necessários para dar-lhe uma educação de qualidade. Entretanto, Maria tinha dois problemas na escola: números e letras, mas a culpa era dos professores que a perseguiam, e não sabiam ensinar direito. Coitada!

    A pau e corda, Srta. Sem Serventia completou o ensino médio e então resolveu trabalhar porém não tinha nenhum diferencial para o mercado. Inglês sempre foi muito chato; em computação ela só sabia navegar na Internet, não sabia nem abrir o Word ou o Excel; atualidades para ela eram as fofocas da vizinhança e o que acontecia nas novelas. Ah, sim, o probleminha com números e letras eu já citei, né?

    Bem que ela podia fazer um curso técnico e se qualificar. Porém, de família humilde, a pobrezinha não tinha dinheiro para isso. Ou saia para as baladas nos finais de semana e fazia as tatuagens que queria ou se qualificava. Sim, uma triste realidade ela vivia!

    Há mais ou menos um ano, Maria Sem Serventia surpreendeu a todos: começou a trabalhar. Sim, um trabalho simples, mas digno como todo o trabalho. Parabenizei ela, e ouvi o seguinte:

    "Nem é um trabalho difícil, nem muito importante".
    "Todo o trabalho é importante. Você não deve pensar no seu cargo hoje como o fim, e sim como o começo" - respondi eu.

    Mas, Maria era muito azarada, seu primeiro salário não durou mais que duas semanas. Parte dele passou direto por ela e foi para as prestações que já tinha feito antes de completar um mês de trabalho, outra parte foi para as baladas, e mais algumas tatuagens, e novamente nossa amiga não tinha como se qualificar...

    O escárnio com o salário se sucedeu nos meses seguintes e aí veio o desânimo, o trabalho começou a ficar ruim, os superiores a perseguiam... mas tudo bem, o Natal estava chegando, o 13º daria uma equilibrada e logo viriam as benditas férias.

    Maria estava muito cansada, precisava de férias urgente, estava esgotada! Por azar... até o calendário conspira contra nossa heroína: em 2016 o Natal caiu num domingo e não seria feriado. Logicamente, o mesmo aconteceu com o Ano Novo. Que bosta!!! Mas eis que uma luz acende na sua cabeça oca: se não tinha um feriado, que seria um "direto" dela, ela poderia pegar um atestado médico para ter seu "justo" dia de folga. 

    Mas vejam, caros colegas, como Maria Sem Serventia é azarada e burra. Ela mora numa cidade pequena e não demorou muito até a "fofoca" de que ela estava gozando de sua enfermidade junto a alguns amigos (num bar, tomando cerveja, no meio da tarde) chegar ao seu chefe. O resultado foi esse mesmo: demissão "sem justa causa", por estar tomando cerveja no lugar errado, na hora errada - é muito azar!!!

    E o que está ruim ainda pode piorar, pelo menos para as pessoas azaradas. Agora, Maria Sem Serventia está sem trabalho, continua sem qualificação, e tem algumas prestações atrasadas e outras tantas a vencer. Seu nome já está no SPC. Tudo isso antes de completar 20 anos de idade!!!

    Realmente não sei se Maria irá aprender algo com a situação, espero que sim!

    segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

    Sorte, será que existe?

    Buenas, galera! Hoje vou falar um pouco do imponderável, do acaso, ou seja, da sorte. Normalmente finalizo minhas postagens com um vídeo (via de regra, uma música), mas hoje vou colocá-lo no início. É um vídeo com texto do Marcos Piangers em que ele fala sobre sorte.

    Sorte...

    Eu acredito na sorte, acredito que a sorte é um bônus que recebemos pelo esforço desprendido em uma tarefa, ou no acúmulo desses esforços. Como assim??? Muitas vezes já aconteceu comigo uma dessas duas situações:

    1. Fiz um bom planejamento, executei, mas por algum lapso, cometi um erro. Mesmo assim, o projeto deu certo, tive êxito... por sorte!

    2. Tive um esforço homérico em uma dada tarefa, mas o resultado não foi o desejado, porém o aprendizado acumulado tornou uma outra tarefa muito fácil. Ou seja, usei as lições de um fracasso para o êxito em um novo projeto... que sorte!

    Há um tempo atrás, quando ouvia as pessoas dizerem que eu tinha sorte porque estava "bem financeiramente" isso me incomodava, pois essas pessoas não tinham passado pelo que eu passei: pelas angústias e riscos das decisões; pelas privações em prol do estudo e do trabalho; pelas abdicações de lazeres e bens imediatos pelo planejamento financeiro; pelas mudanças de cidade e estado, vivendo distante das famílias, minha e de minha esposa, em busca de melhor oportunidade profissional.

    Como digo, o sol nasce para todos, mas a sombra para poucos. Então, temos que plantar a nossa árvore. Todos acham bom deitar debaixo da sombra, mas poucos se dispõem a plantar e cuidar de uma árvore, até porque nem sempre ela vai crescer como planejamos...

    Eu, assim como o povo da finansfera busca a IF. Não tenho certeza se vou alcançar, mas não desisto; não existe um seguro que a garanta, mas gosto da dúvida; fico imaginando como será se quando atingi-la mas não deixo de curtir a viagem, por isso, invisto para viver e não o contrário. Até acho que trilhar o caminho é a parte mais prazerosa dessa jornada. Se não for, bem... terei aprendido muito e quem sabe tenha ainda mais SORTE!

    P.S.: minha intenção era falar também sobre o outro lado, o azar, mas o post já está longo e vou deixar para a Parte II

    Desejo a todos que leram esse post muita SORTE!!!!

    quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

    Fechamento Janeiro/17 - 3,37% mais perto da IF! Medalha, medalha, medalha!

    Buenas, galera!!! Nem vi passar, mas já se foram um doze avos do ano de 2017. Si, enero se fue! Estamos voltando ao normal. PF na rua prendendo, congresso voltando aos "trabalhos", tensões com declarações do Pato Donald Trump, e assim vamos nós...

    Tentarei ser bem breve pois o que interessa mesmo é a apresentação dos resultados do mês que acabou. E quase, quase cheguei aos 400K na carteira financeira, aí, somando os imóveis daria 900K... quase um milhão!!!

    Bom, o mês foi assim:
    • IPVA, IPTU, receitas menores, férias e matrículas escolares fuderam impactaram negativamente os aportes
    • Crescimento da carteira financeira: R$ 12.817 (3,37%)
    • Aportes: R$ 2.896
    • Valorização: R$ 9.921
    • Rentabilidade segundo planilha ADP: +2,59%

    Renda Variável

    • Ações: fiz um bom aporte e uma boa rentabilidade
      • Valorização: +6,35%
      • Compras: CIEL3, EGIE3, EZTC3 e RUMO3, totalizando R$ 7.518 - sendo que boa parte desse valor estava nos trades
      • Proventos: R$ 6,00 (ITSA4)
    • FII: fiz um pequeno aporte líquido e também tiveram uma boa rentabilidade
      • Valorização: 4,50%
      • Compras: R$ 1.165 distribuídos em HGLG11 e FFCI11
      • Os proventos superaram a barreira dos R$ 400 pela primeira vez: R$ 416,80

    Renda Fixa

    • Tesouro Direto:
      • Valorização: 2,40%
      • Recebi alguns cupons de juros 
      • Houve o resgate pelo final do prazo do TD-Pré17
      • Retirei R$ 1.698 do TD em janeiro
    • Outras Rendas Fixas:
      • Valorização: 1,21%
      • Houve uma grande retirada pois usei parte da reserva que compus com as férias em dezembro
      • Retirada de R$ 6.674

    Reserva Cambial

      • Aportei R$ 3.000, sendo 2k em fundo cambial e 1k em dólar
      • Valorização: -3,56% 
    Fevereiro: agora vai... fevereiro devo chegar finalmente nos 400k na carteira financeira, a não ser que algo muito trágico aconteça

    Bola de Cristal

    • Janeiro deu uma impressão que está tudo ok, mas o recesso parlamentar e do judiciário terminaram, então acredito que devemos voltar à 2016...
      • Sinceramente acho isso muito importante, embora gere incertezas e turbulências no curto prazo, acredito que estamos vivendo um capítulo tão importante da nossa história como foi a redemocratização, o Impeachment do Collor, o Plano Real. Ou melhor, acho que esse momento é o mais importante de todos - a nossa verdadeira independência.
      • Não, não sou utópico em achar que todos os brasileiros se tornarão absolutamente incorruptíveis, que as instituições vão funcionar de forma perfeita, que não teremos mais dinheiro público sendo desperdiçado, que não verei mais lixo sendo jogado na estrada pelo carro à minha frente, que ninguém mais vai querer levar vantagem ilícita, que a lei de gerson (sim em letras minúsculas pois não merece destaque algum) vai acabar, que nenhum comprador mais vai pedir 5% para comprar meus produtos... não, não seremos perfeitos, mas podemos dar um enorme passo para nos tornarmos um pouco (ou muito) melhores.
    • Juros: acredito que vamos seguir na redução da taxa Selic. A inflação finalmente dá sinais que cedeu e que pode permanecer assim, embora ainda sinto uma ameaça pelo Dólar.
    • Bolsa e FIIs: acredito que podemos ter uma continuação da valorização iniciada em 2016. Isso não é linear e teremos volatilidade: cenário político, Europa, China e Trump estão na área, então espero boas janelas para compras.
    • Dólar: sigo comprando... vamos ver o que acontece. No médio e longo prazo acredito que teremos uma certa valorização, mas meu principal intuito é a proteção.
    Clipe de hoje AC/DC Rock'nRoll Train (ao vivo no Monumental de Nuñez) 

    domingo, 29 de janeiro de 2017

    DI1F19 e DI1F25 - juros futuros, e daí?

    Buenas, galera! Um dos blogs que acompanho bastante é do Rodolfo Oshiro, o Discussão sobre Investimentos:

    Costumeiramente, o amigo posta o gráfico do DI1F19, ou seja, o juros futuros para janeiro de 2019. Eu também acompanho o DI1F19 de olho no curto prazo, mas também acompanho o DI1F25 para o longo prazo. Abaixo posto os dois gráficos:
    DI1F19
    DI1F25
    Sim, os dois gráficos são semelhantes. É como se o DI1F25 estivesse deslocado para a esquerda no eixo das abcissas (X) e levemente para cima no eixo das ordenadas (Y). Notem que a partir de janeiro de 2016 tivemos uma queda livre na expectativa de juros futuros, tanto em prazos mais curtos (19) como em prazos mais longos (25).

    Em outubro o mercado testou o suporte do DI1F19 na casa dos 11,27 (linha branca) e ao mesmo tempo o suporte do DI1F25 também na casa dos 11,27 (linha azul). Porém, com a eleição de Trump nos EUA o mercado passou a ver mais risco e houve um repique. O DI1F19 chegou a tocar o antigo suporte na faixa dos 12 mas isso serviu como resistência. Já o DI1F25 "ignorou" essas resistências e retornou acima dos suporte dos 11,90 encontrando resistência na faixa dos 12,50.

    Entretanto, o movimentos de queda dos juros manteve sua trajetória e, em dezembro, com um pouco menos de medo do governo Trump, inflação mostrando melhoras e tendencia de êxito nas aprovações das medidas do governo o DI1F19 rompeu novamente o suporte de 11,27 (linha branca) e veio testar o o antigo suporte de 10,89 (linha amarela). Por sua vez o DI1F25 furou o fundo de 11,90 e ancorou num antigo suporte (final de 2014) em 11,50 (linha amarela).

    Na primeira reunião do COPOM de 2017 tivemos uma posição mais dovish da turma do Ilan, e aí os juros despencaram. O DI1F19 caiu e encontrou suporte na faixa de 10,41 (linha azul) e o DI1F25 ignorou o último teste (11,27 - linha azul) e ficou abaixo desse antigo suporte.

    Tá, legal, e daí?

    Agora, minha expectativa é que os juros continuem caindo e, assim que o DI1F19 romper definitivamente o suporte de 10,41, acredito que venha a testar os 9,80 (linha verde) e os 8,70 (linha rosa). Já o DI1F25 caminha para testar o último suporte em 10,77 (linha verde) depois vai escrever sua própria história, mas acredito em barreiras próximo aos 10 e aos 9, ou seja, os mesmos suportes do DI1F19 + um pequeno prêmio por ser uma projeção mais longa. Obviamente que repiques podem e devem ocorrer, essa trajetória não é linear...

    Tá, legal, e daí?

    E daí que como o mercado de juros, via de regra, caminha inversamente ao mercado de ações e imóveis, espero que o apreçamento dos ativos de risco continuem, ou seja, espero que bolsa e FIIs continuem subindo. Por isso, há alguns meses resolvi aumentar um pouco minha exposição em ações e FIIs e reduzir minha exposição em renda fixa.

    Também espero maior rentabilidade nos títulos pré-fixados, indexados ou não (TD-Pré e TD-IPCA). Mas não pretendo comprar esses títulos agora, e sim penso em ficar de olho para realizar os lucros. Meu investimento foi nos indexados ao IPCA (TD IPCA+35) e aguardo que as taxas caiam para patamares próximo ao 4,5 para iniciar a colheita.

    Bom, isso é o que eu espero, mas se vai ocorrer ou não, só o Sr. Mercado vai dizer. Então, convido você a seguir nossa estratégia de investimentos, ou seja, eu a minha e você a sua... não sou profissional habilitado a recomendar investimentos e, meu intuito aqui, é apenas criar aqui um canal de discussão.

    Sonzinho... tem também. Hoje tirei um pouco de teia de aranha... achei um clipe de 1991 Mucky Pup (Hippies Hate Water)

    segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

    Compras de Janeiro/17

    Buenas, galera! Janeiro quase finalizando e resolvi postar as compras do mês. Foi um mês movimentado pois encerrei os trades que estavam ativos e essa grana foi canalizada para novas compra B&H.
    Vamos lá, primeiro o encerramento dos trades:
    Embora o resultado positivo, por hora estou parado com os trades. Afinal, o boi só engorda com o olho do dono e, como não tenho tido tempo para me dedicar, resolvi deixar em stand by essa questão. O último trade que fiz foi em BRAP4 e durou oito pregões. Acabei tendo um stop móvel acionado num dia em que estava viajando.

    Entretanto, embora atarefado, hoje consegui fazer minha doação de sangue. A primeira do ano. Como já comentei num post antigo, costumo fazer doações de sangue frequentes e convido você a doar também. Na real, hoje não foi tudo bem... minha pressão baixou e me senti mal, mas já estou recuperado e o sangue está doado.

    Enfim, as compras do início de ano...

    Fundos Imobiliários:

    Neste mês adquiri uma cota do HGLG11 (R$ 1.105,00) e 100 cotas do FFCI11 (R$ 1,60 cada). Existem outras ordens na pescaria (FFCI, MFII e TRXL), mas acho que vão ficar para o próximo mês.

    Ações:

    Com o valor destinado aos trades convertidos em ações para B&H, acabei incluindo duas novas empresa na carteira e fazendo preço médio em outras duas. Seguem as compras:

    CIEL3 foi incluída na carteira, com a compra de 100 ações a R$ 26,14 / ação.
    EZTC3 também passou a fazer parte da carteira, com a aquisição de 100 ações a R$ 18,78 / ação.

    EGIE3 - 50 ações a R$ 35,05 e, com isso, o preço médio de EGIE3 caiu para R$ 35,85. 

    Também comprei RUMO3 - 100 ações a R$ 6,24 e, assim, o preço médio caiu para R$ 6,89 / ação.

    Ainda estou avaliando a compra de outra ação, mas não sei se fecharei ainda esse mês. Depende do fluxo de caixa e da oportunidade...

    Clipe de hoje: RATM: Sleep Now In The Fire