domingo, 30 de abril de 2017

Fechamento Abril/17 - Carteira financeira continua a encolher, mas bem pouquinho...

Buenas, galera! Depois de algumas semanas no ostracismo, mas não no ócio, esse humilde escriba volta ao teclado para o fechamento do mês de Abril/17.

Abril foi um mês de quaresma, muitos feriados e alguns não recorrentes, como IPTUs e o aniversário da minha filha que consumiram uma graninha considerável. Nas comissões, o impacto mais forte será sentido nos meses seguintes, por hora, está tudo dominado! Tive sim, uma queda de cerca de 6% nas entradas comparado a março, mas isso está dentro do normal. 

De forma geral a CARTEIRA FINANCEIRA continuou encolhendo (-0,4%), como esperado, pois estou pagando a terra. Já a CARTEIRA GLOBAL cresceu (+1,4%) - nada mal considerando que nela tenho quase 60% em imóveis.
Avaliando mês a mês as classes de investimento, optei por limar um pouco a carteira de ações esse mês, até em virtude de sua boa performance, e tive a oportunidade de comprar dólar quanto este caiu próximo a R$ 3,10.

Perdas e Ganhos 


A carteira financeira teve valorização de 1,05%. Isso supera IBOV, IFIX e CDI.

Ações tiveram a maior valorização da carteira com 4,24% - chupa IBOV (+0,64)!!! Destaque para HGTX3 com valorização de 23% no período.

FIIs valorizaram 0,95% também superando o seu benchmark, o IFIX (+0,16%), mas de forma mais comedida. O destaque foi MFII11 que valorizou 9,52%.

Outras Rendas Fixas também valorizaram bem, subindo 1,54% contra 0,79% do CDI em abril (se não estou enganado), puxado pelo recebimento de um empréstimo garantido.

Tesouro Direto foi a classe negativa do mês (-0,81%). As incertezas políticas fizeram subir as taxas dos títulos mais longos, e o título que mais afetou minha carteira foi o TD-IPCA35 (-3,14%). No entanto, com valorização de 58% em menos de dois anos, uma queda de 3,14% nesse título, não o torna um mal investimento.

Reserva Cambial fiz um bom aporte quando o dólar bateu nos R$ 3,10 e isso contribuiu para uma boa rentabilidade no período (+1,65%) contra 1,41% do dólar. Também vendi um contrato de ouro que tinha, mas quero postar isso em separado, pois foi uma pequena experiência.

Bola de Cristal


No último mês não coloquei esse quadro, até porque não tive muito tempo para escrever e não via nada muito explícito. Haviam sim, fatores de risco, mas via-os muito latentes.

  • Front Externo:

    • A semana vai começar com o mercado digerindo a notícia do PMI chinês abaixo do esperado - a saúde da economia chinesa é algo que eu vejo com bastante ceticismo. Além do PMI chinês teremos outros PMI importantes para o mercado ao longo da semana (EUA, Alemanha e Reino Unido).
    • A tensão entre EUA e Coréia do Norte não me parece com cara de que será resolvida com diálogo e sem surpresas.
    • O mercado gostou da conversa de Trump sobre a forte baixa nos impostos. Porém, ainda não ouvimos a repercussão disso na cabeça dos membros do FED. Agora, é certo de que a abiogênese não existe nem na biologia nem nas finanças. Eu espero, para o médio prazo, um aumento da inflação americana.
    • A eleição francesa coroa a semana e pode causar uma boa volatilidade. Não acredito que Le Pen consiga tirar a diferença em uma semana, mas olhando o histórico das pesquisas Macron vem caindo e Le Pen subindo - podemos ter surpresa!!!

  • Front Doméstico:

    • Projeção da Selic vem caindo, porém a curva de juros futuros subiram com as incertezas políticas e, em especial, dúvidas sobre a aprovação da reforma da previdência. Eu acho que o governo vai ter que fazer muitas concessões nessa reforma, e o mercado ainda não precificou tudo.
    • Campanha eleitoral de 2018 já começou e vai ter muita merda no ventilador. Além disso, quanto mais postergar as votações, pior fica para o governo, pois nossos "excelentíssimos" congressistas não vão querer deixar o deles na reta.
    • Protestos contra as reformas podem ganhar força e isso dificultaria para o governo Temer que, até então, tem uma relativa força no congresso.
    • Investigações estão provando que direita e esquerda é uma questão de oportunidade e não de ideologia, ou seja, são tudo farinha do mesmo saco. Para mim, nenhuma novidade!!!
    • Como visto, não ando muito otimista... espero estar enganado e que as reformas avancem sem muita descaracterização. Entretanto, acho que com o jogo político isso vai ser muito improvável.
    • Bom mesmo foi a reforma trabalhista. Espero que não sofra nenhum revés, em especial na questão da contribuição sindical. Para mim esse foi o principal ponto, pois vai diminuir em muito a arrecadação dessa turma. Nada contra os sindicatos, mas eles têm renda mesmo sem mostrar serviço.
O som de hoje, Metallica -  ...And Justice For All

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Fechamento Março/17 - a carteira encolheu!!!

Buenas, galera! Março já acabou faz dias e eu ainda não postei o fechamento do mês... antes tarde do que nunca, né?

Devido a correria em que me encontro vou ser bastante sintético nessa apresentação, então vamos aos números:

A carteira financeira encolheu 7,8% no mês de março ante fevereiro devido à retirada para o pagamento da entrada da terra. Como tenho mais cinco prestações para pagar, a expectativa para os próximos meses é de aporte nulo e, inclusive, mais retiradas.

Optei em primeiro lugar pelo resgate de CDBs de bancos médios e aplicações em renda fixa com perfis semelhantes. Em seguida, saquei alguns valores em TD-Selic para completar o valor necessário. Com esse encolhimento da RF, ações e FIIs acabaram aumentando sua fatia na carteira financeira.

Quanto à rentabilidade, o mês de março não deixou a desejar. As carteiras de Ações e Fundos Imobiliários valorizaram +0,24% e -0,80%, respectivamente. IBOV e IFIX performaram -2,52% e +0,20%.

As carteiras de Outras Rendas Fixas e Tesouro Direto tiveram as valorizações de +2,27% e +0,62%, respectivamente, enquanto o CDI valorizou 1,05% em março. Fechando o tema, a reserva cambial valorizou 0,72%

Com a mexida que fiz no mês passado, a carteira financeira mudou a configuração, diminuindo a concentração em Renda Fixa para 60,1% e elevando os pesos de Renda Variável para 35,6% e Reserva Cambial para 4,3%.

Embora tenha havido uma queda na Carteira Financeira, considerando a compra da terra, o patrimônio cresceu 3,3% em março, o que não é nada mal.

Para finalizar, peço desculpas pela ausência, inclusive não tenho nem visitado os blogs que costumo ler assiduamente, mas para terem uma ideia, agora são 23:41 e amanhã, às 05:30 já estarei dentro de uma fábrica prestando consultoria... realmente o tempo está escasso.

Um grande abraço e sucesso a todos!!!