sexta-feira, 7 de julho de 2017

Os juros futuros 51 dias após a delação da JBndeS!

Buenas, galera! Lembram do dia 18/05/17? Eu lembro, e como lembro. Estava bem confiante na queda dos juros dos TD-IPCA, tanto que no dia 17 havia postado um estudo gráfico sobre as curvas de juros DI1F19 e DI1F25 - Juros Futuros - em queda aguardando a reunião da turma do Ilan

Eis que veio a delação da JBS e os juros subiram. No dia seguinte eu iria vender parte dos TD-IPCA35 que tenho e colocar em TD-Selic. Como diz meu herói Maxwel Smart "foi por um tantinho assim!"

Paciência, não tenho o poder de prever o futuro, então VTNC-PQP!!! Aproveitando o problema para estudar mais e acompanhar a evolução gráfica, percebo que hoje, 51 dias após a delação, a curva de juros curta (2019) já retornou ao mesmo patamar de 17/05, enquanto que a longa (2025) ainda está bastante acima do seu ponto na mesma data. Motivo para isso? Para mim é a instabilidade e incerteza política. Temer cai ou não cai? Maia assume e pode estar envolvido na Lava Jato? Quem tem chances nas eleições de 2018 que já começaram? 

Minha cara quando as taxas subiram e eu não tinha vendido
os títulos que queria ainda
Sim, essa idiotice de eleições antecipadas é besteira que só serve para discurso de demagogo. Nem quem defende essa burrice acha que é viável, mas para efeito de discurso e se fazer de vítima se prestam a defender uma causa perdida. Para termos a eleição antecipada, esta precisa ser aprovada através de uma PEC e, aí, até ser discutida, aprovada, e efetivamente colocada em prática... estaremos no pleito de 2018. Ou seja, é como tosquiar porco, muito berro e nada de lã!!!

Bom, mas o assunto era o gráfico de juros, correto? Então vamos lá. 
1. O gráfico verde e vermelho é o DI1F19 e o azul e rosa o DI1F25
2. No dia 17/05 marcado pelas setas verdes os DIs estavam em ancorados nos suportes de 8,70 (DI1F19) e 10,00 (DI1F25) e, no dia seguinte, subiram na faixa de 130-150 bps.
3. O DI1F19 caiu rapidamente até o antigo suporte de 9,20 e logo rompeu retornando ao mesmo patamar pré-crise (seta vermelha). Ou seja, até 2019 pouco coisa vai influenciar a trajetória dos juros e o mercado já estima a Selic na faixa de 8,00 então pode cair mais um pouquinho.
4. O DI1F25 também caiu rápido mas encontrou suporte nos 10,60. Esse ponto serviu como resistência de meados de fevereiro até final de abril. Acredito que assim que rompido esse suporte, poderemos ter uma rápida queda até os 10,00 e poderei vender parte dos meus preciosos.
5. Vejo o DI1F25 consolidado no quadro verde e, ao meu ver, o motivo dessa consolidação é a incerteza política. O preço das reformas subiu e nem tudo o que estava previsto vai passar, além de não sabermos se vai passar. Então acho justo e até barato o mercado cobrar esses 60 bps pela nossa safadeza.

Isso explica porque as curva do TD-IPCA+19 (azul claro) já está praticamente no patamar pré-crise enquanto que as taxas dos mesmos títulos com vencimentos mais longos (24, 35 e 45) e o TD-Pré23 ainda estão substancialmente acima do patamar pré-crise.
Pré23 -5pp: TD-Préfixado venc. 2023 com 5 pontos percentuais a menos
Fiz isso para ficar mais fácil de visualizar no gráfico
No gráfico acima percebe-se que as curvas amarela (TD-IPCA35) e azul escuro (TD-IPCA45) andam juntas mesmo, pois estão sobrepostas.

O TD-Pré23 teve uma subida maior, mas também uma queda mais rápida. Felizmente (assim espero) na época da explosão comprei esse título ao invés dos indexados.

Bueno, o texto já ficou longo e então hoje vamos parando por aqui mesmo!

Abraço e sucesso a todos!!!

Ah! Sim, hoje tem clipe... tupiniquim... Ultraje a Rigor (Dinheiro)


domingo, 2 de julho de 2017

Fechamento Junho/17 - de volta ao crescimento! Medalha, Medalha, Medalha!

Buenas, galera! Esse mês foi incrível. Eu estava aguardando uma nova queda na carteira financeira, mas eis que para minha grata surpresa, tive uma pequena evolução de 0,55%. Como desde fevereiro não via esse número positivo, isso foi ótimo! Outro fato que me alegrou é que, após três meses de retiradas, esse mês tive aporte na carteira. Foi pouco, 0,41% sobre o saldo do mês passado, mas também é animador.

Como ainda tenho três meses de investimento forte no projeto do reflorestamento, estou ciente que os números podem voltar ao negativo nos próximos fechamentos.

Então vamos ao desempenho:

A CARTEIRA FINANCEIRA cresceu 0,55% e a CARTEIRA GLOBAL avançou 1,8%. Nos seis meses de 2017 o crescimento foi 7,7% para a Financeira e 16,3% para a Global. Abaixo segue os comparativos da Carteira Financeira frente aos principais indicadores e a atual distribuição das carteiras (Financeira e Global)




Em Maio, não fui muito feliz em aportar em ações, pois comprei antes do dia 18 - paciência! Mesmo entendendo que tudo pode mudar a qualquer hora, optei por diminuir a exposição em ações e manter mais recursos na renda fixa. Gostaria de estar fazendo o contrário, porém os compromissos assumidos não permitem.

Perdas e Ganhos


A carteira teve uma valorização de 0,14%. Continua perdendo para todos os benchmarks, inclusive para a poupança, mas nesse mês ganhou da grana que ficou na carteira.

Ações, novamente tiveram o pior desempenho do mês, caindo 1,14% e perdendo para o Ibovespa que valorizou 0,30% em Junho. ESTC3 foi a ação que mais impactou negativamente o resultado, enquanto que CVCB3 foi a que teve o melhor desempenho.

FIIs valorizaram 0,64% e perdeu para o IFIX (+0,85%). O destaque do mês foi FIGS11 que valorizou 14,54%. Nesse mês aumentei a posição em RNGO11 e inclui SDIL11 na carteira.

Outras Rendas Fixas valorizaram 1,08% contra 0,81% do CDI, e nesse mês foi a melhor rentabilidade da carteira.

Tesouro Direto novamente ficou estável, com valorização de 0,01%. Novamente a ponta negativa foi o TD-IPCA35 com queda de 0,94%, enquanto que os pós-fixados tiveram o melhor desempenho. Achei estranho o descasamento das rentabilidades dos pré-fixados, onde os títulos com cupom tiveram queda acentuada enquanto que os sem cupons tiveram uma boa rentabilidade. Acredito que o extrato esteja considerando o pagamento dos cupons que ocorrem no primeiro dia útil de julho. Se for isso mesmo, em poucos dias essa distorção corrige. 

Reserva Cambial embora o dólar comercial tenha valorizado 2,41% no mês, minha reserva cambial apresentou queda de 0,40%.

Bola de Cristal


Não vejo muita novidade no ar... incertezas e incertezas. O ambiente externo arrefeceu e o interno parece estar caminhando para um acordão.

Posso estar errado, mas acredito que a pizza está assando. STF baixou a guarda, a amnésia seletiva toma conta dos investigados, o pleito de 2018 já está correndo... e as reformas? Se sair a trabalhista sem muita descaracterização, já considero lucro.

Lula 2018? Acho que mesmo sem condenação ele não se candidata, ou entra na corrida sem muita vontade. Vamos aos fatos: governar com dinheiro é bom, governar sem dinheiro é o problema. De todos os defeitos que vejo nele, a falta de esperteza não é um deles.


Ações: até o final de junho via o cenário consolidado. Acredito que o viés de baixa deve prevalecer, mas o que acho e o que vai acontecer nem sempre convergem.

FIIs: continuo acreditando na resiliência deles.

Juros: continuo acreditando na queda. Recessão e baixa inflação devem pressionar a próxima reunião do COPOM em 25 e 26/07. Imagino um novo corte de 100 bps na taxa Selic.

Dólar: mostrou força em Junho e encostou em 3,35 - acima da zona de estabilidade que eu considerava (3,20 - 3,30). Continuo sem aportar.

Clipe de hoje: Wild Flower (The Cult)