sábado, 2 de janeiro de 2016

Investir para viver... isso é o que busco!!!

Não pretendo viver para investir, ou seja, entrar numa corrida frenética para aumentar meu patrimônio através de aportes e resultados dos investimentos. Até porque, não entendo quase nada dessa área e, sem conhecimento, as chances de um retorno positivo são muito baixas, senão nulas. Não sou da área econômica, nem contábil, mas pretendo adquirir conhecimento sobre ambas as áreas, para melhorar meus resultados. Sim, o conhecimento é fundamental, independente do que formos fazer. Quando digo que não quero viver para investir, não estou dizendo que não vou me dedicar ou que vou 'fazer nas coxas'... só não vou entrar numa paranoia sobre investimentos.

O que busco é investir para viver. Obter uma renda passiva para custear minha vida, ou seja, atingir minha independência financeira. Meu foco não está em ser o melhor investidor, o que obtém os melhores resultados, o que achou a 'bola da vez' nos investimentos... só quero ter meus custos pagos pelo retorno dos meus investimentos, tarefa que não será nada fácil.

Esse projeto já iniciei há alguns anos, mas de uma forma empírica, nada estruturado, através do velho método da tentativa e erro, o que em investimentos, o segundo termo do binômio é o mais provável de ocorrer. Fiz da mesma forma que compramos um equipamento (desde uma simples lanterna até um complexo artefato de tecnologia) e começamos a operar sem ler o manual... em investimentos o resultado de operar sem conhecer é chama-se prejuízo. Aposto que, se alguém investiu sem ler o manual (leia-se: sem saber o que estava fazendo) teve prejuízo e, se por ventura obteve lucro, foi por sorte e não por competência.


Ao longo de 2015 comecei a colocar metas SMART e gostei. Em paralelo estudei mais sobre alguns investimentos e tracei um plano. Fui refinando esse plano e, para 2016, tenho planejamento mais estruturado para meus investimentos.


Com o que estudei, informações que obtive e as esfoladas que levei no passado (prejuízos), decidi, durante 2015, que minha carteira de investimentos financeiros seria concentrada em 80% de renda fixa (Tesouro Direto, CDB, LCA, LCI, LC, etc.) e 20% em Fundos de Investimentos Imobiliários. No final do ano, a Renda Fixa representava 81,5% da minha carteira e FIIs 18,5% - o que está aceitável tendo em vista a queda das cotas dos FII há alguns dias.


Seguindo a Regra Número Um (nunca perca dinheiro) e a Regra Número Dois (não esqueça a regra número um) de Warren Buffett, em 2016 pretendo iniciar aportes em BOVA11, em uma proporção tal que as eventuais perdas que possam haver sejam compensadas pela valorização real (descontados impostos e inflação) dos investimentos de menor risco da carteira. Posto isso, para o ano que começa, pretendo seguir com a concentração na renda fixa, mas reduzi-la para 75% da carteira, manter cerca de 20% em FIIs e entrar com uns 5% em BOVA11.


Minha meta SMART macro é passar de 10% de independência para 13,5% através da minha carteira de investimentos financeiros, sendo 8,5% através de rendimentos reais das aplicações de renda fixa e 5% de proventos de FIIs. Atualmente, a renda fixa contribui com 6,5% e os Fundos Imobiliários com 3,5% da minha despesa anual.

Bom, chega de papo e vamos trabalhar... desejo a todos um Feliz 2016, com muita paz, saúde, sucesso e realizações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário